Aquilo que você foca, cresce de tamanho

De Marcelo Possidônio

Oito anos atrás eu não tinha a menor ideia do número de pessoas que usava óculos de graus. Somente percebia essa diferença nas pessoas que eu conhecia e convivia mais intimamente. Fora esse caso, jamais poderia imaginar que centenas de milhares delas usavam óculos, assim como passei a usá-los também, nessa mesma época.

Distância de três ou quatros metros já era o suficiente para eu enxergar as coisas embaçadas, ofuscadas... Miopia, foi o meu diagnóstico.
Pronto: passei a usar óculos. O que foi dificílimo para mim.

Achava-me feio; escondido das pessoas e de mim mesmo.

Tentei trocá-lo por lentes de contato, mas não me acostumei; não tinha paciência suficiente para tirar e colocar aquele negócio gosmento... "Fico com os óculos mesmo", disse eu, não muito convencido. Mas... Até hoje os óculos têm sido meus companheiros para enxergar longe.

E sabe o que comecei a ver depois de ser uma pessoa de óculos?

Mais e mais pessoas que também precisavam deles.
"Gente, quanta gente de óculos de graus!", dizia para mim mesmo, como alternativa para chegar ao autoconvencimento sobre a minha nova realidade visual.

As coisas se avolumam quando começamos olhar para elas.

Hoje tenho a impressão que existem mais pessoas usando óculos do que as que não precisam deles.
Certa vez decidi comprar um carro "X". Fiquei quase um mês procurando a melhor oportunidade de negócio.

Tente adivinhar qual modelo de carro eu mais via andando pelas ruas, enquanto aguardava o momento de comprar o meu?
Exatamente. A resposta era essa mesma: eu via pelas ruas e estradas o carro que queria comprar. Só dava ele em estacionamentos de shoppings, hipermercados e nos engarrafamentos, que são típicos desta metrópole chamada São Paulo.

Para onde vão seus olhos, o corpo tende a acompanhar.

Assim funcionam para aquilo que acreditamos ou queremos acreditar.

O diabo não existe - a não ser que você o conceba.

É para você que as coisas existem - ou não existem.

Hoje pela manhã entrevistei um profissional que buscava recolocação no mercado e, durante a entrevista, percebi que ele fazia questão de ressaltar um remorso por algo que considerava um erro cometido por ele. Algo simples, a meu ver, mas muito grande para ele, e dentro dele.

Então lhe contei a minha história sobre os óculos que precisara usar. Contei-lhe que tudo que focamos, cresce dentro da gente. E ele compreendeu direitinho a analogia de sua situação com a história real vivenciada por mim.

"Caso seja uma coisa boa, crescerá como a minúscula semente de uma futura árvore frondosa. Caso seja algo ruim, um remorso, por exemplo, crescerá feito a minúscula semente de uma futura árvore frondosa", disse a esse candidato.

Tem gente que utiliza o controle remoto de seu aparelho de TV para trocar de um canal de jornalismo sangrento para um canal de programação instrutiva e interessante. Outras pessoas usam esse mesmo controle para desligar o aparelho. Outros nem sabem onde deixaram o controle remoto, por não gostar mesmo desse tipo de entretenimento.

Tem gente que acredita que os inimigos sempre estão à espreita para devorar seu fígado. Outras pessoas queixam-se por não terem tempo de estar com tantos amigos e em tantos lugares interessantes para os quais são convidadas.

Uns curtem um tipo de música suave e, universalmente, agradável. Outros escutam músicas que incitam à violência.

Algumas pessoas perdoam o que fazem com elas e contra elas. Outras pessoas se vigam e comemoram o êxito de suas vinganças.

Alguns homens lutam em prol da vida. Outros mais (muito mais) matam a vida que a eles não pertence.

Algumas pessoas reconhecem que os solavancos que receberam na vida têm suas causas registradas em suas próprias tentativas de erros e acertos. E aprendem que na vida o negócio é aprender sempre, inclusive com as quedas que provocam arranhões. Mas outras pessoas acreditam que seus sofrimentos e desafios foram causadas pelas outras pessoas, pelos seus pares, pela sua família, pela empresa para a qual trabalham ou trabalharam, pelos seus inimigos, pela sociedade que eles acham ser injusta... Pelo diabo que elas mesmos conceberam.


Para qual direção estão voltados seus olhos e seu coração?
 

Postado por: Marcelo Possidônio
Postado em: 26/09/2013 - 09:24:22
(0) comentários
Compartilhe:

 

 

 

  

 

 

 

  

GRUPO ICONES
Tel 55 - 11 - 2682-7711 - info@icones.ind.br